11.6.09

Ode ao Sol

E, como pode,
Uma ode ao Sol?
Decidi escrever para ele,
Porque prefiro a natureza.

Ele não reclama,
Não cai em fofocas
E é feminino em alemão.

Seu gênero ninguém discute,
Embora também nunca mude
O brilho de sua luz.

À noite ilumina a Lua,
Porque ela sempre foi sua
E não foi ouvir outro inimigo.

Se ambos fossem humanos,
Talvez não fossem perfeitos,
Mas o certo é que assumiriam os seus defeitos.

Ele irradia ao mundo
Sem cobrar nada.
Na verdade, somos nós que o cobramos
Por uma noite ensolarada!

Sim, ode ao Sol,
Porque o aprecio.
A natureza não tem preço
E não se vende a qualquer vazio.

Um comentário:

james p. disse...

Caro Rômulo,parabéns pela ode.Grande abraço do James.