31.1.09

O que seria a distância?

Uma torrente de pensamentos me invadiu e depois de descobrir o grande texto de mais um blogueiro e escritor descoberto pela Vanessa, decidi escrever esse texto. Pra quem quiser conferir, está aqui o endereço: http://omundodesofisma.blogspot.com/2009/01/coautoria.html



O que seria a distância? Uma pergunta que perdurou em minha mente durante essa semana. A distância pode nos aproximar ou nos afastar, a partir do espaço em que convivemos. É mais ou menos isso! Tentei simplificar, mas as minhas palavras se distanciam do que almejo. Quero aquele velho sonho de estreitar os laços do mundo. Mas muita gente prefere se reunir em grupos muito pequenos a não aceitar os encontros da vida.
Já perdi muitos amigos de infância pela distância. No entanto, existem aqueles que tenho na lembrança e, quando tinha o orkut, achava-os lá. Alguns se mantiveram amigos e perderam a proximidade. Disse bem o Filipe: "Amigo não se faz assim, como se planta arbustos. Amizade exige estudo, horas de conversa num silêncio contínuo de trinta ou mais minutos. "
De minha parte, prefiro ser amigo de todos numa atitude kamikaze. Afinal, nunca agradamos a todos. Mesmo assim a distância deveria ter uma equação relativa para os cientistas de plantão. Jogue isso para o amor entre pessoas que eram apenas amigas. Costumam dizer que homem não pode ser amigo de mulher e vice-versa. Estranho, não? O mesmo falam da amizade entre homens. Um dia estava vendo algo interessante naquele Big Broxa Brasil. O velho Bial ensinuando toda a sua falsa moralidade para a amizade de dois brothers. Ué, então qual é o objetivo desse programa? Já a sociedade vê muito bem a amizade entre mulheres. Será porque elas sempre sejam comparsas contra a gente?
Brincadeiras à parte, gostaria mesmo de relativizar a distância moral em que os brasileiros se encontram. Ela é muito tênue. E esse é um perigo de se estudar antropologia, acredito eu. Talvez a minha distância perante aos fatos não se aproximasse tanto. Coisa difícil observar o ser humano social não? Distanciar-se é ver um mundo a partir de nossa proximidade interior.
Na verdade, só nos aproximamos por que nos interessa. Isso é fato! O que faz jogar pelo ralo a história do diz com quem andas que te direi... Diga o mesmo para as patricinhas do tráfico! Muitas têm grana o suficiente, mas precisam estar próximas do perigo da cidade para fugir do "perigo" de suas casas. O risco, entretanto, é que elas caem nas mãos de malandros por não ter a noção mínima do que seja retidão de caráter..mas aqui voltamos ao que disse sobre a moralidade e fica pra uma outra longa discussão.
Tudo hoje nos aproxima tão rápido que fica difícil ter aquele tempo para decidir até uma simples amizade, lembrando do trecho do Filipe, enquanto pessoas distantes o conseguem. Mas muitas vezes esses laços se confudem demais e aí está a minha questão. Nessas horas, respiro fundo e procuro reavaliar o que fiz até aquele momento. Sempre de forma crítica. Ou melhor, auto-crítica. É..a distância. Esse grande enigma que promove encontro entre semelhanças e diferenças na sociedade.

4 comentários:

Filipe Garcia disse...

Rômulo, meu caro,

você entrou nas minhas palavras, degustou-as e destrinchou aqui, à sua maneira. Ter lido você falar em distância entre amigos e as possíveis "regras" ditadas pela sociedade, só me faz repensar nesses conceitos tão batidos. Mas tão esquecidos.

Agradeço pela sua visita e por essa coautoria.

Um abraço!

Rômulo disse...

É Filipe, o pior é que posso ter perdido uma mulher que é (para mim) mais do que uma amizade no meio dessa história. Vida complicada essa..Disponha da visita.

té mais

Vanessa disse...

Olha esse negócio é mesmo complicado. Sobrea amizade entre homens e mulheres posso recomendar um filme? When Harry met Sally.

Excelente.

PS: Bom, o Filipe, não? :-)

Rômulo disse...

Valeu, Van. Vou assistir! E esse garoto tem futuro mesmo. Você tem olhar espetacular para descobrir talentos..rs

um abraço